Baixa da Banheira

A Baixa da Banheira, tornada Freguesia em 1967 e Vila em 1984, é banhada a Norte pelo estuário do Tejo e situa-se entre as antiquíssimas vilas de Alhos Vedros e do Lavradio.

A área que hoje ocupa era outrora denominada pelo nome dos proprietários das quintas que a retalhavam (ex. "Quinta dos Algarvios"), pelos seus acidentes geográficos (ex. "Baixa da Serra", “Alto da Serra”) ou até por outras particularidades que ao sabor do tempo foram caindo no esquecimento.

Foto Baixa da BanheiraSítio da Banheira, Lugar da Banheira, Terras Baixas da Banheira do Tejo são apenas algumas das designações que ao longo dos tempos é possível, através de registos diversos das épocas, referenciar à localização da actual Baixa da Banheira.

O nome da freguesia foi dado pelos terrenos baixos à volta do alongamento de uma pequena enseada do rio, denominada "Banheira de Alhos Vedros". O núcleo inicial da vila formou-se no início do século e dependeu inteiramente da abertura do caminho-de-ferro em 1863.

A pesca artesanal, o caminho-de-ferro e a transferência de algumas fábricas algarvias de cortiça para a vila de Alhos Vedros trouxeram consigo muitos que nelas trabalhavam e que, por falta de habitação na vila, recorriam ao Sítio da Banheira, onde o alojamento do ponto de vista económico era mais acessível.

Nos anos 50, a Baixa da Banheira não se livrou da alcunha de "Xangai", em alusão a alguns vendedores ambulantes de origem asiática, que por aqui faziam os seus negócios. Não era de modo nenhum um elogio à terra e seus habitantes, antes pelo contrário.

Foto Baixa da BanheiraNa verdade e reportando-se a primeira referência conhecida ao século XIV, o nome da Freguesia não foi encontrado ou inventado a partir do nada ou por qualquer recente decisão. Assim, Baixa da Banheira é um nome com origens muito antigas e a nossa terra será conhecida através dele e cabe a todos nós “Banheirenses”, prestigiá-lo e fazer com que cada vez mais pessoas, quando se referem à Baixa da Banheira, o liguem a uma terra agradável, onde se vive bem, e onde a sua melhor riqueza são as pessoas.

Em termos de história recente, a Baixa da Banheira começou praticamente nos anos 30/40 com a chegada de muitas famílias oriundas do Algarve, Trás-os-Montes, Alentejo (entre outras), que procuraram trabalho nas grandes fábricas da região como por exemplo a CP, a CUF, a Indústria Naval, e as cortiças. Embora hoje a sua população já comece a ter outras origens, designadamente de zonas de serviços da área de Lisboa, a base da população é de gente trabalhadora, com grande espírito de fraternidade e solidariedade que se orienta por uma postura democrática e progressista.

Foto Baixa da BanheiraA partir dos anos 50, registou-se uma nova migração; era a gente que procurava meios para o seu sustento aproveitando a ampliação do Grupo CUF do Lavradio, na instalação da Siderurgia Nacional em Paio Pires ou no nascimento de outras pequenas indústrias nos arredores.

Em 1975, o fim da Guerra Colonial e a consequente independência das antigas colónias ultramarinas marcou a vinda dos denominados "retornados" levando a população da Baixa da Banheira e do Vale da Amoreira (uma freguesia limítrofe), a crescer de uma forma considerável.

Também a proximidade de Lisboa e a oportunidade de conseguir-se residência em condições bem mais económicas que na Capital, fez com que esta freguesia se tivesse tornado numa zona de dormitório da grande metrópole.

A Baixa da Banheira do futuro será necessariamente esta junção de várias origens caldeadas no espírito de participação que se mantém e dará a todos uma vida melhor.